sexta-feira, 9 de julho de 2010

Atol das Rocas

O Atol das Rocas situa-se a cerca de 145 km a oeste do arquipélago de Fernando de Noronha e a aproximadamente 260 km a nordeste da cidade de Natal, no Rio Grande do Norte, sendo o único atol presente no Oceano Atlântico Sul Ocidental.
Apresenta elevada importância ecológica por sua alta produtividade biológica e por
ser importante zona de abrigo, alimentação e reprodução de diversas espécies de animais.
O Atol das Rocas foi transformado na primeira Reserva Biológica Marinha do Brasil, em
5 de junho de 1979.
Duas ilhas estão presentes na porção interior do Atol das Rocas:
- Ilha do Farol, com cerca de 34,6 mil metros quadrados, 1 km de comprimento, por 400 metros de largura, era conhecida pelos franceses e ingleses como Sable ou Sand. O nome atual deveu-se à construção do primeiro farol na ilha, em 1881, que acabou suspenso em virtude de a torre não atender às necessidades do local. O farol, que permanece em atividade na ilha, foi inaugurado em 1967;
- Ilha do Cemitério, com cerca de 31,5 mil metros quadrados, 600 metros de comprimento, por 150 metros de largura, era chamada de Grass ou Capim. O nome atual é devido aos sepultamentos de faroleiros e familiares, assim como das vítimas dos diversos naufrágios. As duas ilhas estão a cerca de 3 metros acima da preamar, sendo avistadas, aproximadamente, a 10 milhas náuticas de distância, dependendo da direção de aproximação do Atol das Rocas.

AS ORIGENS DO ATOL

O Atol das Rocas tem sua origem na mesma fratura perpendicular à cadeia Dorsal
Atlântica, de onde emergiu o arquipélago de Fernando de Noronha (Zona de Fratura de
Fernando de Noronha). Tal como o arquipélago, o Atol das Rocas é o cume de um imenso
edifício vulcânico, cuja base se perde no abismo atlântico. A diferença entre essas duas formações está em suas elevações vulcânicas, pois enquanto Noronha se ergueu a até 323 metros acima do nível do mar, Rocas se ergueu ao nível do mar (mais suscetível à ação de ondas).
Com o tempo, a ação das ondas reduziu todo o cume para alguns metros – dois ou três –abaixo da superfície do mar. A formação desse substrato próximo à superfície do mar, devido à disponibilidade de luz e nutrientes, possibilitou a ocorrência de colônias de algas calcárias e corais.
O desenvolvimento dessas colônias, nas bordas das formações vulcânicas submersas, deu
origem aos recifes em forma circular (devido ao cume do vulcão submarino), com a presença de lagunas em seu interior. A esta formação recifal dá-se o nome de atol.
O Atol das Rocas apresenta forma de uma elipse semicircular com área interna de 5,5 m2. O seu eixo Leste-Oeste possui aproximadamente 3,7 quilômetros, e o eixo Norte-Sul, cerca de 2,5 quilômetros.
Ainda que o Atol tenha dimensões pequenas e a ausência de uma laguna profunda, fato usado como argumento para que Rocas não fosse considerado um atol verdadeiro, sua morfologia atual apresenta várias características que são encontradas nos atóis ao redor do mundo. Destacam-se entre elas:
• a presença de uma laguna rasa e de ilhas arenosas a sotavento do recife, características dos atóis do Caribe;
• a existência de uma crista de algas coralinas na borda recifal, particularidade dos
atóis indo-pacífi cos;
• a maior extensão do anel recifal no lado a barlavento do atol.
Na fratura geológica, da qual fazem parte Fernando de Noronha e o Atol das Rocas, existem várias outras montanhas submersas, alinhadas à altura (latitude) de Fortaleza, na costa cearense. Seus cumes fi cam entre 20 e 30 metros abaixo da superfície marinha. Nos últimos 100 mil anos, durante as várias glaciações, o mar
chegou a fi car cerca de 100 metros mais baixo e esses cumes formavam uma seqüência de ilhas, mais ou menos próximas umas das outras. Tal fato possibilitou a migração de espécies durante milhares de anos, provenientes dos ambientes costeiros adjacentes, colonizando ambientes distantes, como o arquipélago de Fernando de Noronha e o Atol das Rocas. Ao fi nal das eras glaciais, o nível do mar voltou a subir e quase todas as ilhas submergiram. Sobreviveram as espécies fi xas nas terras emersas das formações oceânicas remanescentes (Noronha e Rocas). Com menos altura e menos condições do que Noronha, o Atol garantiu menor diversidade e espécies menos nobres, de fl ora e fauna.

UM PASSADO DE LENDAS E NAUFRÁGIOS

A história dos homens no Atol das Rocas é pontuada por lendas, naufrágios e muitas mortes. Não há registros claros de quem descobriu o Atol, talvez porque o descobridor tenha também naufragado.
Alguns autores atribuem a descoberta a Gonçalo Coelho, em 1503, na mesma expedição em que ele descobriu Fernando de Noronha. O que se sabe, com certeza, é que os navegadores do século XVI já temiam seus recifes rasos. Apesar de tal temor generalizado, persistente mesmo depois de iniciada a era de barcos e navios a motor, a localização precisa e o registro das coordenadas exatas do Atol das Rocas nas cartas de navegação só aconteceu no século passado, em 1957, no Ano Geofísico Internacional.
Durante os séculos XVI, XVII e XVIII, o atol manteve centenas de comandantes de olhos abertos, noite e dia, durante a travessia entre a costa brasileira e o arquipélago de Fernando de Noronha.
Entre 1803 e 1890, a história registrou cinco grandes naufrágios de navios. Quatro
deles ocorreram em outubro e um, em março (período em que se observa maior ação das
correntes). O naufrágio mais famoso dessa época foi o do Duncan Dubar, navio inglês com mais de 100 tripulantes e passageiros a bordo, a maioria emigrantes saídos de Plymouth, Inglaterra, com destino a Sidney, na Austrália.
O Duncan Dubar alcançou a corrente equatorial ao desviar das calmarias. Acabou com
o leme destruído e um enorme rombo no casco, na noite de 7 de outubro de 1865, ao se
chocar contra os recifes do Atol. Homens, mulheres e crianças só abandonaram o navio na manhã seguinte, quando a fúria das ondas já havia destruído também parte do costado. Apinhados nos escaleres, atravessaram milagrosamente ilesos a arrebentação e desembarcaram na areia, onde permaneceram por 10 dias. O resgate só aconteceu graças a um gesto heróico do comandante Swanson, que deixou o Atol num escaler, acompanhado de seis marinheiros, seguindo rumo à costa brasileira. Em cinco dias, eles chegaram ao litoral pernambucano e tiveram a sorte de encontrar outro navio inglês, o Oneida. Arriscando afundar por superlotação, o Oneida embarcou todos os náufragos, arruinados, mas vivos, e com eles empreendeu a longa jornada de volta à Inglaterra, sem novos incidentes.
Em 1883, a instalação do primeiro farol reduziu o medo dos navegantes, mas deu asas às lendas de morte, nascidas da solidão dos faroleiros. Uma das línguas de areia ganhou o nome de Ilha do Cemitério, porque ali foram enterrados os faroleiros, seus familiares e os náufragos.
A ausência de fontes de água doce colocava a vida dos faroleiros na precária dependência do abastecimento vindo do continente ou na esperança de chuvas para encher as cisternas. Na virada daquele século, mulher e fi lhos de um dos faroleiros teriam morrido de sede, porque uma das crianças deixou a torneira da cisterna aberta até secar. O faroleiro, desesperado, ateou fogo na casa, para ver se atraía algum navio, mas o socorro chegou tarde e só ele sobreviveu.
Conta ainda a lenda que as almas da mulher e das crianças estariam presas à ilha de sua desgraça e, à noite, assombram os visitantes, pedindo água.
As luzes dos faróis – inicialmente dos tradicionais, e atualmente dos automáticos – diminuíram os naufrágios, mas não os eliminaram. Ainda hoje, os recifes traem a atenção dos timoneiros e interrompem bruscamente os sonhos de viagem. Em 26 de junho de 1979, naufragou o Mon Ami, um veleiro de 13 metros de comprimento e dois mastros. Seus tripulantes, três sul-africanos e uma australiana, passaram 21 dias num acampamento improvisado no Atol, dividindo as provisões do seu veleiro e a água da chuva com ratos, camundongos, escorpiões e baratas. Apesar dos insistentes sinais de socorro emitidos pelo rádio, dos salva-vidas jogados ao mar com pedidos de ajuda, dos acenos dirigidos a um avião no oitavo dia, os náufragos do Mon Ami só foram resgatados no dia 16 de julho por uma corveta da Marinha brasileira, após a passagem de mais um avião e da comunicação, via rádio, com um petroleiro norueguês, visível no horizonte.

O CLIMA DO ATOL

O clima do Atol das Rocas é o oceânico tropical, amenizado pelos ventos alísios provenientes do Leste e do Sudeste, que sopram o ano todo. Ventos com velocidade variando entre 6 a 10 m/s predominam ao longo de todo o ano, mas, durante o inverno, ventos com velocidade entre 11 e 15 m/s são comuns. Velocidades superiores a 20 m/s são registradas com mais freqüência durante o verão. A média de temperatura atmosférica anual é de 25°C, sendo fevereiro o mês mais quente do ano e agosto, o mais frio. A precipitação é distribuída irregularmente ao longo do ano:
observa-se, de maneira geral, menor precipitação em abril e maior precipitação em agosto. As águas que circundam o Atol das Rocas pertencem à Corrente Sul Equatorial, originada nas costas da África, a partir da Corrente de Benguela. A temperatura média da água na parte externa do atol é de 27°C, entretanto, nas piscinas presentes na região interna do recife, a água pode chegar a 39°C.

COMUNIDADES BIOLÓGICAS PRESENTES NO ATOL DAS ROCAS

Caracterização da fl ora No Atol das Rocas, a vegetação é tipicamente herbácea, resistente à salinidade, à excessiva luminosidade e à constante ação das marés.
Algumas espécies possuem características próprias (apresentam seus ramos orientados para o mar e estruturas resistentes ao soterramento que crescem continuamente, formando um emaranhado). As espécies que ocorrem no atol pertencem às famílias Amaranthaceae, Aizoaceae, Portulacaceae, Cyperaceae, Gramineae e Amaryllidaceae. Na Ilha do Farol há duas casuarinas mortas que são pontos de apoio para as aves marinhas. De grande porte, existem apenas alguns poucos coqueiros introduzidos antes da criação da Reserva. Além disso, existem algumas outras espécies de plantas introduzidas por pescadores e marinheiros.
Composição dos recifes de coral e das comunidades bentônicas associadas No Atol das Rocas a superfície do recife mostra-se predominantemente recoberta por macroalgas (foram identifi cadas e catalogadas cerca de 110 espécies de macroalgas, sendo
duas novas ocorrências para o Brasil) e uma associação de algas calcárias incrustantes e gastrópodes vermetídeos. Corais maciços, com Siderastrea stellata, Montastrea cavernosa e Porites ocorrem apenas em áreas protegidas da energia das ondas, principalmente nas lagunas, poças de marés e em algumas reentrâncias da frente recifal.
Apesar de se argumentar que as algas coralinas têm, em geral, um papel limitado
na construção de recifes, devido a restrições ecológicas e ambientais e a sua baixa taxa de crescimento vertical, Rocas é um exemplo de que esses organismos podem crescer verticalmente, a taxas relativamente elevadas.
Foram também identifi cadas no atol sete espécies de corais da ordem Scleractinia. As esponjas descritas somam 38 espécies, sobressaindo-se a Spirastrella coccinea, Chondrilla nucula e Topsentia ophiraphidites. Pesquisas indicam que o baixo grau de competição por espécies e a reduzida taxa de herbivoria no local podem ser fatores ecológicos que propiciaram o intenso crescimento das algas coralinas incrustantes em Rocas, além de energia hidrodinâmica elevada. A diversidade de crustáceos também é grande, representada por 11 famílias e 18 espécies, destacando-se o caranguejo terrestre, Gecarcinus lagostoma, e o aratu, Grapsus grapsus, espécies que ocorrem somente em ilhas oceânicas.

Os peixes

Nas águas circunvizinhas ao atol são encontradas, em grande quantidade, espécies de peixes de utilização comercial, tais como: albacora ou atum, alguns tipos de gulhões, garoupa rajada, mero e badejo. Pesquisadores catalogaram até o momento cerca de 147 espécies de peixes na reserva. Dessas, duas são endêmicas, ou seja, ocorrem apenas no Atol das Rocas e em Fernando de Noronha: a donzela de Rocas, Stegastes rocasensis, e a Thalassoma noronhanum.
Apesar da biomassa de peixes herbívoros em Rocas ser equivalente à dos recifes em outras localidades no Brasil ou no Caribe, apenas um gênero de peixe pastador em algas coralinas foi encontrado no atol (gênero Sparisoma). Ademais, as espécies do gênero citado têm os músculos das mandíbulas menos potentes que os dos peixes-papagaio do gênero Scarus, que são os pastadores mais potentes do ecossistema recifal e não ocorrem em Rocas. Essa diferença na estrutura da comunidade de peixes de Rocas pode ter contribuído também para o incremento do potencial de crescimento e preservação das algas coralinas incrustantes, visto que a herbivoria por peixes-papagaio é um dos controles ecológicos mais importantes no desenvolvimento das algas coralinas.
O Atol das Rocas detém a maior colônia de aves marinhas tropicais do Brasil (são pelo
menos 150 mil aves, de 29 espécies diferentes). Cinco espécies se reproduzem (nidifi cam) no Atol, tanto na ilha do Farol, como na do Cemitério. São elas: atobá-mascarado (Sula dactylatra), atobá-marrom (Sula leucogaster), trinta-réis-do-manto-negro (Sterna fuscata), viuvinha-marrom (Anous stolidus) e viuvinha-negra (Anous minutus).
Além das espécies que nidifi cam, surgem as forrageadoras constantes migratórias, visitantes esporádicas e limícolas (vivem na lama e em terrenos alagadiços). Duas espécies de aves marinhas forrageadoras constantes podem ser registradas durante todo o ano, oriundas de Fernando de Noronha, as quais usam os coqueiros, os arbustos secos e as ruínas do Atol das Rocas como locais de pouso para o descanso e as áreas adjacentes para capturar suas presas: o atobá-do-pé-vermelho (Sula sula) e a fragata (Fregata magnifi cens). Até o momento, cinco espécies de aves migratórias oceânicas foram registradas no Atol das Rocas, sendo três provenientes do Norte e duas do Sul. Pardais (Passer domesticus), com poucos indivíduos, podem ser registrados próximos ao farol, provavelmente oriundos de embarcações que visitaram o Atol, assim como, esporadicamente, a garça-vaqueira (Bulbucus ibis), o rabo-de-junco-do-bico-amarelo (Phaethon lepturus), o rabo-de-juncodo- bico-vermelho (Phaethon aethereus) e a limícola paleártica – andorinha do deserto (Glareola pratincola), além da espécie marinha Sterna antillarum, que provavelmente vem do Caribe e do Golfo do México.
O último grupo de aves que pode ser registrado no Atol, um dos mais espetaculares pelas características peculiares que apresenta, é o das aves limícolas, provenientes tanto do Hemisfério Norte, como do Velho e do Novo Mundos, tais como os maçaricos (Tringa spp), a batuíra-decoleira (Charadrius semipalmatus) e o fuselo (Limosa laponica).

As tartarugas-marinhas

A área também se destaca por ser a segunda maior área de desova da tartaruga-verde
Chelonia mydas no Brasil, além de ser uma área de abrigo e alimentação da tartaruga-de-pente Eretmochelys imbricata. O primeiro convênio elaborado para a efetiva implantação da Rede de Biodiversidade do Atol das Rocas foi fi rmado em 1990, entre o Ibama e a Fundação Pró-Tamar, a qual teve o imprescindível apoio da Petrobras no transporte das primeiras instalações de abrigo.
O Tamar pôde coletar dados importantes, não somente sobre a biologia reprodutiva da tartarugaverde, mas também sobre a bioecologia de indivíduos juvenis, tanto da tartaruga-verde como da tartaruga-de-pente, que habitam a área repleta de bancos de algas e recifes de corais e esponjas, os quais se constituem nos principais itens alimentares dessas espécies.

ESTADO DE CONSERVAÇÃO E PRINCIPAIS AMEAÇAS AO ATOL

Como citado anteriormente, o Atol das Rocas foi declarado Reserva Biológica Marinha
em 5 de junho de 1979 e reconhecido como Sítio do Patrimônio Natural Mundial, pela
Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), em 13 de
dezembro de 2001. As reservas biológicas protegem, sobretudo, a fauna e são teoricamente fechadas ao turismo e a qualquer tipo de exploração econômica. Teoricamente, porque é muito difícil evitar a presença de pesqueiros, navios e veleiros nos 36 mil hectares de área protegida, incluindo as terras emersas e as formações calcárias submarinas, além de tudo isso estar localizado a cerca de 260 km da costa mais próxima (a do Rio Grande do Norte) e a 145 km de Fernando de Noronha (a única ilha habitada da região).
Pela legislação brasileira em vigor, para descer no Atol ou mergulhar em suas águas é
preciso ter autorização do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama). Até 1993, essa exigência era simplesmente ignorada pela grande maioria dos navegantes e curiosos, pois a fi scalização era nula. Em 1993, foi construído um posto permanente (duas casas de madeira pré-fabricadas instaladas ao lado das ruínas do antigo farol) para as equipes de voluntários, no revezamento de fi scalização do Ibama.
A preocupação maior dessas equipes é com a ousadia crescente dos pesqueiros industriais nas águas de pesca proibida, além de eventuais vazamentos de diesel e outros poluentes, às vezes trazidos de alto-mar pelas correntes.
Tal como na maioria das Ilhas oceânicas, camundongos (Mus musculus), escorpiões
(Isometrus maculatus), baratas (Periplaneta americana) e outras pragas foram inadvertidamente introduzidos no atol e lá proliferaram, conforme os relatos dos últimos anos de faroleiros e de alguns náufragos. Tais organismos invasores viajam clandestinos em barcos e navios, escondidos nos suprimentos ou nas cargas transportadas. Até o presente momento, não há indícios de que essas espécies interfi ram diretamente nos ovos ou nas aves, embora disputem espaço e possam,
futuramente, prejudicar o equilíbrio ecológico das ilhas, com seus ecossistemas sempre mais frágeis do que os continentais, dado o isolamento e a exigüidade do ambiente.

JOÃO LUIZ GASPARINI
LEANDRO P. CHAGAS

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário